Retrato de Bezerra de Menezes

Casa de Recuperação
e Benefícios
Bezerra de Menezes

Fé inabalável só o é a que pode encarar frente a frente a razão, em todas as épocas da humanidade. - Allan Kardec

Estude o Esperanto,
o idioma universal da Paz!

Logo do Youtube

SAL DA TERRA: ROBERTO SILVEIRA
(16-03-1929 / 07-09-2019)

Dr. Roberto SilveiraPartiu para a pátria espiritual Dr. Roberto Silveira, um valoroso discípulo de Bezerra de Menezes, justo no dia da Pátria - em 07 de setembro de 2019. Amigo de nossa Causa e nossa Casa, foi grande trabalhador do Grupo Espírita Regeneração – Casa dos Benefícios, fundada por nosso patrono quando ainda encarnado, a 18 de fevereiro de 1891.

Roberto Silveira nasceu na cidade de Presidente Bernardes – SP, a 16 de março de 1929. Ainda muito criança veio para o Rio de Janeiro em virtude da revolução constitucionalista de 1932, quando o seu pai, Dr. Jorge Silveira, pernambucano e único médico daquela cidade, foi alertado pelo padre local a se afastar das turbulências políticas partindo com a família: a mãe, Odília de Mattos Silveira e uma irmã um ano mais nova. Mais tarde a família cresce com mais dois irmãos.

No Rio de Janeiro estudou medicina na Universidade Federal Fluminense, escolhendo a especialidade de citopatologia. Trabalhou no antigo IAPTEC, Instituto de Aposentadoria e Pensões dos Empregados em Transportes e Cargas; no antigo INSS; na Fundação Bela Lopes de Oliveira, onde estabeleceu seu Laboratório Citopatologista Roberto Silveira; e como diretor durante muitos anos do Hospital Geral de Bonsucesso. Casou-se em 1958 com Sara Maria de Carvalho Silveira, com que teve três filhos, Regina, Roberto e Rachel.

Nos anos 70, em virtude de doença sem diagnóstico preciso de sua esposa, encontrou no Espiritismo, através da mediunidade, informações precisas quanto à natureza do seu mal, bem como a sua cura. Nasceu assim seu interesse em pesquisar os fenômenos e a filosofia espírita, vindo a encontrar, nesse período, a antiga colega de trabalho do IAPETC, Dra. Leda Pereira Rocha, na época presidente do Regeneração. Começou então a frequentar aquela casa espírita, participando das reuniões públicas e ingressando paulatinamente nas atividades doutrinárias, vindo a fazer parte de seu Conselho Diretor e atuando como seu diretor em diversos mandatos. Nesta mesma década iniciou, concomitantemente às suas leituras espíritas, seus estudos na área de Psiquiatria, formando-se em mais uma especialidade cursada na Casa de Saúde Dr. Eiras, no ano de 1978.

Dr. Roberto Silveira e Chico XavierA partir daí passou a atuar no Grupo Espírita Regeneração como médico psiquiatra, atendendo, orientando, e medicando centenas de pessoas, gratuitamente, e sempre com o apoio daquilo que, costumava dizer, ser fundamental para o processo de cura: a consulta, o passe, a frequência do paciente nas reuniões públicas e as indicações de seus nomes nas reuniões de desobsessão. Foram mais de 40 anos de trabalho como psiquiatra no Grupo Regeneração. Publicou os livros: Agenda de um psiquiatra Espírita; Aqui e Acolá - a psiquiatria nos dois planos da vida; A Psiquiatria Iluminada; A Evolução de Adão – da Gênesis a Psiquiatria, (em parceria com Jorge Damas Martins);A minha rosa amarela; Ensaios de Evangelismo; As cinco vidas de Aurora; Minhas Memórias e Reflexões; Drogas e suas consequências (autores diversos); Um psiquiatra entre dois mundos; Ele está bem obrigado e O ‘Meu’ consultório Espírita - as Orientações de Chico Xavier.

Atuou também como palestrante em muitas instituições espíritas e afins, sempre divulgando a medicina alternativa em base evangélica. Durante muitos anos manteve, aos domingos, o programa na rádio Rio de Janeiro: Agenda de um Psiquiatra Espírita. Seu trabalho como psiquiatra e espírita no Regeneração foi orientado espiritualmente por Dr. Bezerra de Menezes, Eurípedes Barsanulfo, Dr. Alcides de Castro e J. Maia, através de mensagens recebidas pelo médium Francisco Cândido Xavier, quando participava das caravanas do Regeneração a Uberaba – MG, que periodicamente ocorriam por convite do Chico a Leda Rocha, sua grande amiga. Essas mensagens encontramos no seu último livro - "O "Meu" Consultório Psiquiátrico – As orientações de Chico Xavier", Ed. Lachâtre.

Nos últimos anos de sua existência física, de 2016 a 2019, foi morar em Nogueira, distrito de Petrópolis – RJ, com seu o filho, e também seu médico, Roberto Silveira Filho. Lá, no pouco tempo que ficou, também atuou voluntariamente como médico psiquiatra.

Ao nosso prezado amigo, a homenagem de seus admiradores: Roberto Silveira é também ... SAL DA TERRA

AVISO OPORTUNO

Fotomontagem - silhueta de homem louvando ao solMeus amigos,

Louvado seja o Senhor. Em minha última romagem no campo físico, mobilizando os poucos préstimos de minha boa vontade, devotei-me ao serviço da cura mediúnica; no entanto, desencarnado agora, observo que a turba de doentes, que na Terra me feria a visão, aqui continua da mesma sorte, desarvorada e sofredora. Os gemidos no reino da alma não são diferentes dos gemidos nos domínios da carne. E dói-me o coração reparar as filas imensas de necessitados e de aflitos a se movimentarem depois do sepulcro, entre a perturbação e a enfermidade, exigindo assistência. É por esta razão, hoje reconhecemos, que acima do remédio do corpo temos necessidade de luz no Espírito. Sabemos que redenção expressa luta. E que resultados colheremos, no combate evolutivo, se os soldados e obreiros das nossas empresas de recuperação jazem desprevenidos e vacilantes, infantilizados e trôpegos?

Nas vastas linhas da nossa fé, precisamos armar-nos de conhecimento e qualidade que nos habilitem para a vitória nas obrigações assumidas. Conhecimento que nasça do estudo edificante e metódico, e qualidade que decorra das atitudes firmes na regeneração de nós mesmos. Devotamento à lição que ilumine e à atividade que enobreça.

Indubitavelmente, ignoramos por quanto tempo ainda reclamaremos no mundo o concurso da medicina e da farmácia, do bálsamo e do anestésico, da água medicamentosa e do passe magnético, à feição dê socorro urgente aos efeitos calamitosos dos grandes males que geramos na vida, cujas causas nem por isso deixarão de ser removidas por nós esmos, com a cooperação do tempo e da dor. Mas, porque disponhamos de semelhante alívio, temporário embora; não será lícito olvidar que o presente de serviço é a valiosa oportunidade de nossa edificação.

A falta de respeito para com a nossa própria consciência dá margem a deploráveis ligações com os planos inferiores, estabelecendo em nosso prejuízo, moléstias e desastres morais cuja extensão não conseguimos sequer pressentir; e a ausência de estudo, acalenta em nossa estrada os processos da ignorância, oferecendo azo às mais audaciosas incursões da fantasia em nosso mundo mental, como sejam: a acomodação com fenômenos de procedência exótica, presididos por rituais incompatíveis com a pureza de nossos princípios, o indevido deslumbramento diante de profecias mirabolantes e a conexão sutil com Inteligências desencarnadas menos dignas, que se valem da mediunidade incauta e ociosa entre os homens, para a difusão de notícias e mensagens supostamente respeitáveis, pela urdidura fantasmagórica, e que encerram em si o ridículo finamente trabalhado, com o evidente intuito de achincalhar o ministério da verdade e do bem.

A morte não é milagre e o Espiritismo desceu à Humanidade terrestre com o objetivo de espiritualizar a alma humana. Evitemos proceder como aquele artífice do apólogo, que pretendia consertar a vara torta buscando aperfeiçoar-lhe a sombra. Iluminemos o santuário de nossa vida interior e a nossa presença será luz.

Eis a razão por que, em nos comunicando convosco, reportamo-nos aos quadros dolorosos que anotamos aqui, na esfera dos ensinamentos desaproveitados, para destacar o impositivo daquela oração e daquela vigilância, perenemente lembradas a nós todos pela advertência do nosso Divino Mestre, a fim de que estejamos seguros no discernimento e na fé, na fortaleza e na razão, encarando o nosso dever face a face.

Ignácio Bittencourt

(Mensagem originalmente publicada no volume “Vozes do Além”, com psicografia de Francisco Cândido Xavier, e reproduzida em “O Cristão Espírita”, ed. 39, de janeiro-fevereiro de 1973)